quinta-feira, 17 de março de 2011

Por que tenho tanto medo de perdê-lo?



Pergunta: Rita me ajude,por favor,sinto um amor tão lindo,intenso por uma pessoa que me relaciono,sinto tanta saudades dele,quando estamos juntos meu coração bate forte que seja a ser visivel,fico ofegante,nervosa,vontade de chorar de tanta emoção,ele é não demostra sentimento,mas sua atitudes é de amor,eu queria ser mais tranquila,menos apegada,tenho pavor dele me deixar,quando falo ou penso entro em desespero,em depressão,acordo a noite chorando sentindo saudades dele.Me ajude,eu preciso me acalmar,isso me faz sofrer,não é normal um sentimento assim.Tento não pensar,não sentir falta,mas não consigo.Nosso relacionamento é gostoso,conversamos bastante,desabafamos um com o outro,resolvemos problemas juntos,temos admiração um pelo outro,eu preciso ser menos amorosa,menos apegada,me liberar masi dos pensamentos dele,mas não consigo.Sempre fui uma mulher forte,mas meu amor fez eu sentir toda uma fragilidade de uma mulher,ele faz com que eu seja submissa a tudo,não tenho forças pra enfrentar ele quando faz algo que não gosto,aceito tudo e fico sofrendo com medo de falar alhuma coisa e ele me deixar,por que Rita eu não consigo enfrentá-lo,por que eu invez de encara-lo eu aceito ?Qual o poder que ele tem sobre me?Por que eu entro em desespero com medo de perdê-lo.Qual a força que ele exerce sobre me?E ele é fragil,sofrido,mas é decidido.Me dê uma luz

(Enviado por Nanny, em 2 de dezembro de 2010)
  
Rita: Querida Nanny,

Para o espírito toda a existência é apenas um dia. Toda a sua vida e a vida da pessoa com que você se relaciona, aos olhos do seu espírito, trata-se nada mais do que de um único dia.
E este dia de hoje é o dia em que você e esta pessoa estão se conhecendo. O que existe entre você e esta pessoa não se trata de uma relação, mas sim de um encontro. Este é um encontro espiritual. Para o espírito, vocês são desconhecidos.
E é essa a verdade que você precisa reconhecer: que vocês são estranhos um ao outro. Essa é a verdade do espírito. E o espírito é mais real do que a matéria, por ser ele quem a cria.

O momento mais importante da sua vida é o momento em que você descobre que o seu espírito é livre para fazer e ser tudo aquilo que desejar neste dia. E por ser livre, ele não pode pertencer a ou ser pertencido por outro espírito.
Por ser o espírito a sua porção mais real, a parte mais real de você é livre. Assim, você não pertence a esta pessoa, tampouco esta pessoa pertence a você. Não há nada no Universo, nem no plano espiritual ou material, capaz de uni-las definitivamente. Mas isso não é motivo para ter receio de perder quem você ama e Rita passará a explicar por quê.

Como já visto, não existe nada no Universo que funcione como uma corrente com cadeado capaz de prender uma pessoa à outra. No entanto, há um fluxo. Há um fluxo que conecta você a essa pessoa em alguns momentos, como quando vocês riem, conversam alegremente ou desabafam.
Mas como qualquer fluxo, como do ar e da água, este tampouco é matéria sólida. Ele vai e volta, aumenta e diminiu, pois esta é a natureza de tudo que flui.
Não há nada que você possa fazer para mantê-lo de uma certa forma, num só lugar, por toda a vida. Se fosse assim, ele deixaria de ser fluxo. O fluxo não prende um espírito ao outro, ele apenas os conecta, os faz vibrar na mesma freqüência. Este é o fluxo do amor, e quando ele não esta fluindo, mesmo que vocês estejam perto um do outro fisicamente, seus espíritos estão separados, em diferentes sintonias.

 Se há energia amorosa fluindo entre ambos, então vocês são duas pessoas dançando a mesma dança, sob a mesma música. A música faz vocês dançarem harmoniosamente, mas de maneira alguma ela os prende um ao outro. Ela é demasiadamente sutil para isso. Sua existência é livre, não se pode vê-la nem toca-la, como então ela poderia unir a dois seres definitivamente? Apenas a sua beleza e perfeição pode fazer com que estes dançarinos queiram estar aí, mas ela por si só não tem o poder de prende-los um ao outro. A sua essência é de liberdade. A qualquer momento um dos dançarinos pode deixar o seu parceiro e ir dançar outra música, com outra pessoa, ou simplesmente deixar de dançar. De que outra maneira uma música poderia unir a duas pessoas levando-as a dançar sob o seu ritmo, se não pela sua beleza e encanto?

Assim como a música, a energia amorosa também tem o poder de fazê-los dançar juntos. E a sua essência também é de liberdade. Ela conecta de uma maneira bela e delicada, mas jamais prende alguém a algo ou a alguém.

Quando você experimenta o amor por um instante, você é capaz de sentir essa energia fluindo entre você e mais alguém. E quando você desfruta dessa energia, você esquece da mente, você se torna apenas o seu espírito. Então depois você se lembra vagamente daquele momento mágico, e tudo o que você quer a partir de então é retomar aquela sensação. Tudo o que você quer é reviver um episódio semelhante com a pessoa que você ama. Então você começa a planejar, a cobrar daquela outra pessoa: “Porque não estamos revivendo aquilo? Você não está facilitando as coisas!”
Você quer desesperadamente poder provar por ao menos mais um instante aquela experiência surreal. Você quer fazer daquele estado uma constante em sua vida.
E é aí que têm início as frustrações amorosas. Não porque isto seja impossível, pelo contrário, viver em estado constante de amor verdadeiro é a habilidade natural do seu verdeiro eu, é o fim para o qual a sua alma esta caminhando.
No entanto, a decepção ocorre porque essa busca é feita através da mente e não através da alma. A mente entende o mundo de uma forma muito limitada e rígida. E ela quer que o fluxo do amor também seja assim. Ela simplesmente não entende como pode isto não ser assim. Ela não entende por que ela não pode planejar uma relação amorosa da mesma maneira que ela planeja o orçamento anual de uma empresa.

A mente se desaponta quando se depara com a inevitável verdade de que não existe maneira de obrigar este fluxo a estar aí, o tempo todo, como quando você coloca um vaso de flores em um lugar da sala e ele aí fica até você decidir movê-lo. Por mais que tente, ela não consegue fazer o fluxo parar no lugar, daquela mesma maneira que aconteceu aquele dia há alguns anos, ou no dia anterior. E o sofrimento prossegue enquanto ela não descobre que tudo o que ela precisa fazer é simplesmente parar de tentar.  

A mente está treinada para buscar o controle. A mente quer controlar até mesmo algo que esta em outra dimensão, que é a energia do amor. Mas esta bem, você não deve ver isto como um problema. A mente não é uma vilã. Este é apenas um efeito colateral da sua verdadeira função. A mente te ajuda a sobreviver, a buscar o que comer a cada dia. A mente te dá meios para você conviver em sociedade. E você pode usar a mente também para se lembrar que a energia do amor existe e que, para senti-la com todo o seu ser, a própria mente precisa ser mandar embora.
E então, quando ela já não estiver, você se sentirá bem. Porque a mente não pode ser usada para usufruir desta energia. E menos para fazê-la permanecer entre você e alguém mais pelo tempo que você decidir.

 É no momento em que a mente quer dominar aquilo que esta fora de seu comando, que o sofrimento nos assuntos amorosos toma o seu lugar. E isso faz com que esse seja um ponto tão frágil, de tanta dor, para muitos seres-humanos.

Por ferramenta de sobrevivência que é, a mente tende a querer estar presente na sua vida o tempo todo. Mas você pode aprender a usá-la de maneira consciente. Porque, em outro plano, você tem a sua consciência, a parte de você que te conecta ao seu espírito. É ela quem dirá à mente o momento de se retirar. É ela quem a chamará quando você estiver estudando o mapa da sua casa até o local de entrevista para o novo emprego e a abandonará quando você estiver com a pessoa com quem você ama.

Querida Nanny, jamais pense em ser menos amorosa. Seja cada vez mais e mais amorosa. Apenas lembre-se que o que você agora chama de ser amorosa é agir tentando manter um relacionamento através dos medos e limitações da mente. Enquanto ser amorosa é, na verdade, fluir em amor a cada dia.
Em primeiro lugar, você precisa decidir mandar embora o medo de ser deixada. Lembre-se que o fluxo do amor é como uma música sob o ritmo da qual duas pessoas dançam em harmonia. E para manter este fluxo, você precisa nutrir dentro de você sentimentos positivos, como alegria, auto-estima e liberdade. O medo, neste caso, é como uma interferência na estação de rádio, um risco no CD, um defeito no aparelho de som, ou qualquer coisa que possa imterromper esta música. O que Rita que dizer, é que sua lição-de-casa mais importante é usar sua consciência para escolher trocar pensamentos sobre tudo aquilo que te da medo, por pensamentos sobre tudo aquilo que te faz feliz. Porque enquanto o medo estiver aí, o amor não poderá prosperar.

O medo e o fluxo do amor não podem estar presentes no mesmo espaço. Um dia você flui em amor, no outro você sente medo. Mas são dias diferentes. Ou você pode fluir em amor por uma hora e sentir medo na hora seguinte. Mas entenda que são horas distintas. Você não pode escolher experimentar os dois no mesmo espaço de tempo.

Mas lembre-se que escolher deixar o medo apenas uma vez e crer que tudo já esta resolvido não irá adiantar. Porque assim como o medo vai embora, ele volta a qualquer momento. A sua mente já está muito habituada a este padrão. Se concentrar em sentimentos positivos é um exercício para o qual você usa não a mente do dia-a-dia, mas a sua consciência mais profunda. Você precisa se entregar a esta prática dia após dia.
E esta prática nunca se tornará algo automático, porque apenas a inconsciência te faz agir de maneira automática. Até agora você estava agindo de maneira automática. O medo vem à mente automaticamente.  Enquanto você não tiver atingido o máximo de seu potencial divino e houver se tornado um ser de consciência suprema, você precisará chamar a consciência que existe dentro de você para se concentrar no amor em lugar do medo. Então chegará o dia em que você se tornará esta consciência.
Uma vez que você invoca o poder do amor, os sentimentos negativos não têm outra alternativa se não ir embora. Quando você fizer isso, você descobrirá que você é capaz de transformar a sua energia. Então você compreenderá no coração o verdadeiro significado de ser amorosa e de fluir em amor. Você compreenderá também o verdadeiro significado da palavra aceitação.

Você menciona na sua pergunta que você tem aceitado da outra pessoa muitas coisas das quais você não gosta, e isso te machuca e faz você se sentir frágil e submissa. Agora, veja bem, a aceitação é um sentimento que faz o amor fluir. Sempre. Ele significa amar e aceitar a pessoa como ela é ao invés de interferir para tentar mudá-la, simplesmente por achar que ela esta errada e você esta certa. É abandonar a idéia de que você sabe o que é melhor para o outro e para a relação. 


Mas, para aceitar alguém, é preciso primeiramente deixar de correlacionar as atitudes dela com os seus sentimentos, e para isso você precisa se amar e saber que a felicidade esta dentro de você.  


Quando você pratica a aceitação de forma total e consciente, você decide no coração simplesmente amar e ser receptiva àquela pessoa. O que quer que ela faça não é positivo, nem negativo tampouco. É apenas parte de esta pessoa ser quem ela é. Então você deixa de julgá-la e tira de cima dela o peso da responsabilidade pelos seus sentimentos.

            Aceitar é diferente de dizer: “O que você fez foi errado, mas como eu te amo eu não vou dizer nada, pois não quero criar conflito.” Isto é apenas aguentar, suportar. Observe a conotação negativa dessas palavras. Elas implicam infelicidade, sofrimento.  Milhares de empregados aguentam seus chefes todos os dias porque precisam do salário. O mundo não necessita de ainda mais dessa energia. A vida te deu alguém para amar. A sua missão agora é gerar mais energia amorosa a assim contribuir para o equilíbrio do planeta.

Assim como o amor, a aceitação tem natureza total, pura e divina. O amor de Deus é um amor de aceitação. E seria até mesmo redundante se falar em aceitação total, pois a própria palavra já implica totalidade, pois ela precisa ser completa para ser.

Por ser uma qualidade celestial, agir com aceitação jamais te deixará ferida ou com pena de si mesma. Se você agiu passivamente a alguma atitude dessa pessoa, e depois disso você ficou sofrendo e com medo, isso significa que  não houve aceitação genuína. A verdadeira aceitação te nutre e te faz feliz. Jamais um sentimento negativo poderá seguir um gesto de acolhimento. Se houve tristeza é porque você ainda crê que que aquela pessoa esta errada e você esta certa, e que você não deveria ter admitido algo assim. Você apenas calou por medo de uma possível reação negativa, mas você não acha que o que ela fez esta bem e você continua não aceitando a atitude dela no coração. E o que você precisa compreender é que o amor não pode fluir nesse cenário.

Se esta pessoa faz algo e você ainda não sente que é capaz de estar em paz com isso, omitir seus sentimentos é deixar o medo tomar o seu lugar no espaço aonde o amor poderia estar fluindo.
E o que você até então entendia como um ato de amor e aceitação, é na realidade um ato de medo. E este ato te afastará dessa pessoa, porque o amor e o medo não podem coexistir. No momento em que a agulha chega na parte riscada do disco, a musica deixa de tocar. Durante aquele momento em que ela tenta percorrer a área danificada, só se ouvem ruídos. 

Quando você decide aceitar o outro, você admite para si que não existe a verdade. Você reconhece que não há diferença entre vocês, que para o espírito, ambos são aprendizes.

Você reconhece que a felicidade é algo interno e em nada está relacionada com a maneira como alguém possa agir com você. Esta consciência é o seu potencial e você saberá que ele foi atingido quando nada do que qualquer pessoa fizer ou disser abalar a sua paz interior. E neste dia você sentirá que nem precisa mais viver um romance.
  
Este, no entanto, é o nível mais elevado ao qual você pode chegar. A sua alma ainda esta percorrendo este caminho. Por isso agora tudo parece tão difícil. Mas esta bem, você não precisa aceitar tudo o que vem daquela pessoa no coração, como Jesus faria, para fazer seu relacionamento prosperar. Mesmo que você não consiga aceitar algo, você pode manter o amor fluindo e logo você saberá como.

Lembre-se sempre que o seu espírito nunca sofre ou é ferido, apenas o seu ego, a sua mente. Quando você quer aceitar, eles dizem que a pessoa esta agindo de maneira inapropriada e você não merece ter que lidar com isso. Mas não há nada de mal nisso. Como já dito, você não precisa forçar a si mesma a se tornar um mestre iluminado de repente para manter uma relação. Porque o esforço, assim como o medo, também vem da mente, e tudo o que é crescimento espiritual deve vir da alma e de forma gradual e natural, assim como o crescimento de uma planta. Tentar forçá-lo nunca dará bons resultados. Você deve começar apenas sendo você mesma. Você deve começar se libertando primeiro. E o primeiro passo para se libertar é deixar de sentir medo de falar o que você sente, porque o medo apenas te aprisiona. 

Quando você sente que tem algo verdadeiro a ser dito, você deve dizê-lo com o seu coração. Primeiro, concentre-se para mandar embora ou ao menos amenizar a mágoa e a raiva. Concentre suas energia no amor que você sente pela pessoa. Então fale aquilo com este mesmo amor e esta energia amorosa arrumará as coisas para você. Você deve falar com o seu coração diretamente ao coração da outra pessoa. Eles sempre se entendem.

E falar a verdade também é amar.  Você estará ensinando àquela pessoa o mesmo que você mesma acabou de aprender para você mesma.  Você a estará ensinando que ela pode ser melhor, porque você foi melhor no momento em que você falou o que estava no seu coração.

Tanto falar com amor o que você tem guardado, quanto simplesmente aceitar no coração alguma atitude, transformam a sua energia. A energia do outro também será transformada e então o amor poderá fluir finalmente entre vocês.

Agir como se estivesse aceitando e depois sofrer e pensar mal daquela pessoa porque ela faz você aceitar coisas com as quais você não concorda é uma forma inconsciente de hiprocrisia, não é verdade? E sua mente faz você acreditar que este é o seu melhor. Ela faz você se sentir vítima por estar dando o melhor de si a este alguém enquanto, em troca, ele só te faz sofrer. Mas se sentir dessa maneira não é um bom começo. Porque o seu melhor não é esse. O seu melhor é dar aceitação no seu mais puro significado ou, se não puder, agir com liberdade e falar com amor sobre aquilo que te fez sofrer.

Querida Nanny, comece a amar o fato de que vocês são apenas estranhos. De que não há nada que os prenda um ao outro. Se um não pertence ao outro, se vocês  estão apenas se conhecendo, não há nada que ser deixado, não há nada que ser perdido. Mas ainda assim, quando há energia do amor, as coisas tendem a acontecer do seu jeito. Tudo tende a acontecer da forma que você imagina como sendo ideal. Se você deseja ser feliz ao lado dele, isso é o que irá se manifestar na sua vida. Quando você põe energia amorosa nesse pensamento, ele se materializa, porque o amor quer existir em todas as formas.


Em amor,


Rita Cascia.


*FAVOR CLICAR NOS NOSSOS ANÚNCIOS COMO FORMA DE APOIAR O SITE!

*PARA SE TORNAR UMA SEGUIDORA, CLIQUE NO BOTÃO “JOIN THIS SITE” À ESQUERDA E FAÇA LOG-IN COM SUA CONTA DE GOOGLE, TWITTER OU YAHOO!